5 Perguntas-chave para recrutar um bom profissional de TI

Tecnologia da Informação não é uma área de atuação tão comum quanto comunicação social ou saúde, mas é uma das que mais demanda gente qualificada para trabalhar nas empresas.

Encontrar as pessoas certas vai dar à sua empresa um amplo potencial de crescimento em seu nicho de mercado – e, por isso mesmo, é preciso brigar pelos melhores através de condições de trabalho, bons salários e benefícios. Atualmente, dezenas de concursos públicos abrem inúmeras vagas para profissionais de TI, o que acaba obrigando a iniciativa privada a aumentar o nível do jogo.

Por isso, na hora de recrutar um profissional de TI, é preciso saber exatamente quais perguntas fazer e como entender que a pessoa é qualificada para estar no seu time. Afinal, trabalhar com análise de dados gerados diariamente por pequenas, médias e grandes organizações demanda dedicação, trabalho duro e talento.

O pulo do gato, no entanto, não está apenas em enumerar as qualificações do candidato, mas sim seus objetivos de médio e longo prazo e seu comprometimento com o que a vaga estipula. O currículo é, sim, muito importante, mas habilidades individuais podem contar bastante quando o profissional de TI é visto, pelos recrutadores, dentro do time que está se formando.

Veja abaixo as principais perguntas a se fazer a um profissional de TI que deseja trabalhar na sua empresa.

#1 Quais são seus diferenciais profissionais?

Se o candidato mandou, previamente, um currículo, você já sabe onde ele trabalhou e que cargo exerceu. No entanto, não é o documento que traduz perfeitamente os diferenciais profissionais da pessoa, como sua capacidade de liderar equipes ou resultados incríveis que conquistou no trabalho anterior.

Com essa pergunta você também dá ao recrutado a chance de contar um pouco mais sobre seu processo de aprendizado de novas tecnologias e tendências e de seus relacionamentos dentro do trabalho, como proatividade, amizade e reconhecimento.

#2 Quais são suas limitações profissionais?

Essa é uma das perguntas mais importantes, pois mostra quem tende a ser mais verdadeiro nas entrevistas de emprego, e também dá um destaque àqueles que pretendem se destacar pelo trabalho duro.

Afinal, ninguém nasce sabendo tudo – e é quase impossível que um recém-formado, por exemplo, tenha conhecimento de todas as ferramentas de TI que sua empresa necessita.

Além disso, a sinceridade conta pontos porque também mostra onde cada um pode chegar dentro de suas ambições.

Uma pessoa que diga “eu não sei mexer na plataforma X, ainda, mas tenho muito interesse em aprender” vai ser uma escolha melhor do que aquela que fala “não tenho limitações, sou completo” quando, na verdade, essa pessoa não se dá bem em trabalhos de equipe, por exemplo.

#3 Por que você busca uma oportunidade nessa empresa?

Há alguns anos atrás as empresas sabiam exatamente porque eram requisitadas pelos candidatos: melhores salários, possibilidade de carreira ou prestígio eram os fatores principais.

Hoje, tudo isso ainda pode ser considerado um pacote de razões, mas as novas gerações de profissionais de TI também trabalham muito pelo propósito: resolver um problema, ajudar as pessoas através de uma solução melhor, mudar o mundo.

Saber qual é o motivo que faz o candidato estar sentado naquela cadeira pode te mostrar quanto tempo ele pretende ficar na empresa sem que essa pergunta seja feita. A dica é: pessoas com propósito tendem a se identificar mais com a organização e, por isso, ficar mais tempo no cargo.

#4 Qual foi o maior desafio profissional que você já resolveu?

Essa pergunta vai testar a sinceridade e a proatividade de quem se candidata a cargos em TI que envolvam, principalmente, posições estratégicas ou de liderança.

Afinal, não dá para contratar um solucionador de problemas que, bem, nunca solucionou um problema na vida – ou não fez isso da maneira mais prática ou ética possível.

#5 O que você anda lendo?

Profissionais de TI geralmente se apegam mais a materiais de estudo da área do que à literatura em geral, mas se a resposta for “nada”, ou “estou sem tempo”, pense a respeito dessa contratação com mais cautela.

Pessoas que leem mais demonstram maior interesse pelo conhecimento, tem melhor vocabulário e argumentação e podem demonstrar mais desenvoltura com os desafios do dia a dia, porque não se prendem somente ao plano prático.

Às vezes é preciso parar tudo, ler um artigo, um livro, uma revista ou um post de blog para compreender melhor uma situação, na vida pessoal ou no trabalho. Prefira as pessoas que escolhem o investimento em leitura como válvula de escape.

Compartilhe nas redes sociais:

Comente usando o seu Facebook: